terça-feira, 30 de junho de 2009

Egito-praia (antigo Egipto-praia)

Pais: Angola
Distrito: Benguela
Localização geográfica: Lobito-Benguela-Angola
Coordenadas: 11º 57´40" - 13º 45´59"

RESGATE de uma pequena povoação que nos anos de 1800, por suas condições naturais e geográficas, despertou à Corte Portuguesa uma atenção mereçida, mas que os anos subsquentes, sepultaram todo um passado cheio de história, carregado de memórias, das pessoas que por lá passaram, viveram e sobretudo deixaram marcas, que o próprio homem tentou apagar.
Resgatar esse lugar, é sobretudo uma divida de quem por lá nasceu e também viveu. É o trazer à memória de factos apagados pelo descaso das ruínas que se multiplicaram, é o reviver do fausto de de uma vida que por lá existiu, contrastado com a dor de tantos, que foram o combustivel de imensas dores para o incêndio de tanta luxuria.
Ainda presente numa arquitectura já desgastada pelo tempo e o remorso, de tantas atitudes indignas a qualquer ser humano, o Egito-praia, é um dos marcos da verdadeira "História de Angola". Um lugar que foi palco de uma colonização desprovida de valores morais, intelectuais, éticos e até mesmo religiosos.
Foi nesse lugar paradisiaco, que pessoas com familias constituidas, foram arrancadas de suas casas, separadas e conduzidas a prisões onde não existia um minimo de dignidade, para serem vendidas ao Brasil, Estados Unidos, Cuba e Caribe, como máquinas para a agricultura e garimpo, combustiveis da continuidade do fausto das previligiadas castas, os Senhores das Cortes Europeias, tão sedentos de ouro, café, batatas, cana de açúcar, especiarias, pedras preciosas e tantas outras ilusões, que fomentavam a desgraça de tantos humildes, que eram felizes com o tão pouco que possuiam.
O Egito-praia era o começo, era dali, que muitos partiam por esse Atlântico afora, mal alimentados, amontoados como carga, destituidos de toda uma vida que lhes pertencia por direito, arrancados à terra que os vira nascer, partiam ao desconheçido sem esperanças, com seus sonhos resumidos a pesadelos.
Talvez o mais terrivel desses que partiam, era a perca de um lugar paradisiaco, um verdadeiro milagre da Mãe Natureza, tão cheio de verdes únicos, de um rio de águas de cheiro próprio, das palmeiras magestosas, do vale imcomparável, do por do sol que mergulhava nas entranhas dessa terra abençoada e que deixava o rastro das bençãos dos Deuses.
O tempo passou, a escravidão acabou e a vida continuou!
Os algozes partiram com o fim da escravatura, deixando todo esse império abandonado. No cimitério imponente, campas e jazigos trabalhados, ficaram os que por lá findaram suas vidas. Abandonados, vagueiam nas noites de Sexta-feira, ainda procurando o sentido da vida.
Muitas lágrimas de saudades, aumentaram o caudal do rio Cubal da Hanha. Tudo aos poucos foi normalizando. Órfãos esqueçeram seus pais que partiram. Os rapazes se fizeram homens e as meninas cobriram seus lindos corpos com panos coloridos, perfumaram-se com azeite de dendê, e deram continuidade à vida.
O poste da luz, alimentado por gordura animal que iluminava os caminhos da noite, as grossas paredes das residências senhoriais, uma ou outra telha desfeita em pedaços minúsculos o cimitério imponente, hoje coberto por ervas daninhas, por onde passeiam calmamente os escorpiões e até a fortaleza altaneira, desfazem-se lentamente, perante toda essa gente que por lá nasce, que passam indiferentes a tais passados presentes, sem que nada tirem ou mesmo lhes acrescentem.
E é nesse vai e vem da vida, que uns postam os olhos com um orgulho incompreensivel, enquanto outros passam indiferentes, a tantos sinais ainda tão vivos, marcos de tanta dor e perca.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Embora a ideia deste espaço ser direcionado ao Egito - praia, poderemos desenvolver outros assuntos que possam trazer proventos ao conheçimento, ás artes e a tudo que engrandeça tanto o espirito como o bem-estar

Pesquisar neste blogue

A carregar...

"AMIGOS DO EGITO-PRAIA"

A todos que conheçeram o Egito-praia, decerto ficou uma grande saudade e um forte desejo de lá tornar a voltar!
E quem não teve a oportunidade de por lá passar, que o futuro se encarregue, de lhe ofereçer essa grata oportunidade.

Etiquetas

jornal de Angola-Homepage

Loading...
Loading...